PRAGAS E MALDIÇÕES

 

Definição do termo conforme o livro SUMMA TEÚRGICA: "Maldição, palavra originária do latim, é composta por outras duas palavras, que são male + dictione, que, traduzindo, significam "dizer mal" , ou, "maldizer". Mas eu apresento uma definição complementar, do ponto de vista mágico, e ao termo "maldição" defino como "fazer mal usando a palavra" , ou "usar o poder do Verbo para praticar o Mal". Assim, a maldição nada mais é que a utilização da palavra para tentar causar dano, prejuízo e malefício a alguém." (Summa Teurgica - capítulo das Definições).
 

Desnecessário dizer que a maldição pura e simples é um ato deliberado de prática da Goécia. Atente, para o termo "pura e simples", pois aos Iniciados é concedido o poder de amaldiçoar em ocasiões bastante peculiares, sem que isso se constitua em ato de Magia Negra. Para melhor explicar, tomaremos o exemplo do que ocorre com os padres: da mesma forma que o padre benze ele também pode amaldiçoar (excomungar). A ele foram ensinados os meios e dada a autoridade para fazê-lo, porém ele o fará apenas em situações muito específicas. Assim, deve ficar claro que a mesma mão que abençoa também amaldiçoa, embora esse último seja um recurso raramente utilizado.

 

Os Iniciados das Ordens também receberam essa autoridade na sua Investidura, que foi confirmada na Ordenação.


Popularmente não se diz "amaldiçoar". Usa-se um termo equivalente, que certamente o leitor já conhece, e que convencionou-se chamar de "rogar pragas". Um desafeto seu faz algo que na sua opinião não devia ter feito e você, em estado colérico, dirá algo do tipo "tomara que morra". Significa que você está nutrindo um desejo de destruição em relação àquela pessoa e projeta esse desejo no astral, porque nessas ocasiões a pessoa que roga a praga inclusive imagina a cena de seu desejo se realizando. Ou seja, ela jogou para o cosmos a sua intenção em relação a outrem.


Um dos segredos da Magia é saber desejar intensamente da maneira correta. Existe toda uma longa disciplina que ensina isso mas às vezes mesmo um profano pode obter tais resultados danosos porque entre as pessoas é muito mais fácil conseguir gerar um estado de rancor e conflito do que de paz e amizade.


O que foi relatado até aqui, é o "quick mode" das maldições profanas, mas existe uma outra categoria de maldições que é mais lenta e por isso muito mais danosa. Isso é feito através de uma concentração profunda, regular, constante, paulatina e firme na intenção mágica de causar dano, sem que seja preciso um estado colérico como condutor. Lança-se uma maldição a partir de uma sessão de meditação transcendental, como se a pessoa estivesse nutrindo uma forma-pensamento.


A questão é que essa forma em particular de se lançar uma maldição também recai sobre o seu criador, que acabará sentindo alguns de seus efeitos. É como se você quisesse jogar uma colmeia em cima de um inimigo para que as abelhas o ataquem: você fica segurando a colmeia esperando ele passar debaixo da árvore mas por causa da sua proximidade com as abelhas é de se esperar que você acabe levando algumas ferroadas também.


Seja da primeira ou da segunda forma, o fato é que amaldiçoar cria um laço com a vítima, uma espécie de elo psíquico, que equivale a dizer que ao amaldiçoar você vai é estar em sintonia com a pessoa que você pretende prejudicar, porque o desejo ao ser projetado no astral estabelece um elo psíquico que vai do emissor ao receptor e vice-versa.


Às vezes a sabedoria popular é surpreendente, porque mesmo que ela não saiba dar as explicações ela ao menos observa corretamente. Por exemplo, diz a sabedoria popular que não se deve rogar pragas porque a praga é dividida. Mesmo sem saber dizer a razão, ela observou que é comum que uma pessoa que deseja determinado mal a alguém acaba levando também alguns dos efeitos. É por exemplo você amaldiçoar alguém de uma forma violenta, pedindo que essa pessoa morra e de um jeito horrível (porque segundo o seu entendimento ela merece morrer desse jeito), e acaba ocorrendo um acidente pavoroso onde de fato essa pessoa veio a morrer de uma maneira violenta, estúpida e muito cruel. Só que logo a seguir foi a sua vez, onde você também se envolveu em um outro acidente que lhe deixou paraplégico para sempre, a você ou a um ente querido.


Acredite, isso é algo que de fato acontece, talvez com mais frequência do que se supõe, pois há muitos níveis de maldição.


Por essa razão é que o profano jamais deve lançar mão desse tipo de recurso, pois desencadeia forças que ele não sabe como controlar. Trata-se de um ato mágico que só deve ser levado a efeito por Iniciados. Assim como um profano não sabe como abençoar também não deve tentar amaldiçoar. É que a diferença está no fato de que tentativas de abençoar não vão gerar nenhum evento contra ninguém, ao passo que tentativas de amaldiçoar poderão gerar resultados que, pela inexperiência, imperícia e falta de autorização farão com que parte dos efeitos recaiam sobre o emissor.


E por mais incrível que possa parecer já encontrei uma pessoa que chegou a um requinte de ódio tão grande contra um desafeto que me disse que está ciente de todas essas explicações mas que desde que o tal desafeto tenha um fim horrível ela não se importa com o que possa sobrar para ela também. Claro que uma pessoa que chega a esse ponto está obviamente perturbada com essa obsessão de destruir outra pessoa, e situações assim chegam às raias da psicopatia.


Para que não reste nenhuma dúvida: rogar pragas, amaldiçoar ou seja o nome que se queira dar, isso não condiz com o buscador sincero, que sabe que não pode lidar com a Involução, e ocorre que a maldição é um ato de Magia Negra.